28-08-2019 Rui Calisto Imprimir PDF     Print    Print

Feira dos Frutos

Numa daquelas magníficas tertúlias culturais na noite lisboeta, fui confrontado com perguntas, para as quais não tive resposta: Porquê a Feira dos Frutos das Caldas da Rainha quase não tem fruta? Porquê tantos expositores de carros e de imobiliárias? Porquê o exagero de barracas de alimentação e bebidas? Porquê é realizada naquele parque? Porquê são cobrados bilhetes? Porquê se realizam os concertos também naquele recinto? Apanhado de surpresa, e sem ter o que dizer, limitei-me a dar de ombros.

Rui Calisto
Pouco tempo depois, já em casa, comecei a pensar no assunto e cheguei à mais simples das conclusões: A Feira dos Frutos poderia ser a grande montra portuguesa, do que de melhor se faz na cultura simultânea de plantas hortícolas e árvores de fruto deste país, porém, ao invés disso, é apenas um local para algumas pessoas comercializarem os seus produtos, que, em sua larga maioria, não possuem nenhuma relação com o tema principal.
Uma multidão vai à Feira dos Frutos? Sim, mas, fazem-no por causa dos concertos. Não para verem a uva do Douro; a ameixa d’Elvas; o ananás e o maracujá dos Açores; a anona e a banana da Madeira; a cereja da Cova da Beira; as laranjas do Algarve, de Amares ou de Ermelo; o figo de Torres Vedras; a ginja de Óbidos ou Alcobaça; a maçã Bravo de Esmolfe; a maçã da Beira Alta; o melão de Amareleja, de Vilariça, de Campo Maior ou de Elvas; o pêssego da Cova da Beira; porque nenhum desses produtos é ali exposto.
Ah… Mas, parece que o COTHN – Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional esteve presente, com a “apresentação de 10 Grupos Operacionais sob a forma de posters, no seu stand, localizado na área institucional”. Será que os visitantes da Feira, ao lamber os tais posters, conseguem ter a perceção do sabor de alguma das frutas portuguesas citadas acima?
A Frutos – Feira Nacional de Hortofruticultura das Caldas da Rainha é fundamental para este concelho? Sim, é! Porém, com outro formato, mais próximo da ideia central da sua criação, pois, se nesta versão de 2019 estiveram “mais de 120 expositores ligados a setores como maquinaria, indústria, artesanato e restauração”, com certeza retirou-se (como ocorre todos os anos) o protagonismo da personagem principal: A fruta.
No plano inicial, de 1978, a “Frutos – 1ª Feira Nacional da Fruta”, enchia-nos os olhos e os sentidos. Nestes 41 anos esse evento caldense não evoluiu. Ao contrário das outras 51 Feiras, realizadas em 20 países. Entre elas as magníficas: Ásia Fruit Logística (Hong Kong, China); WorldFood Moscow (Moscovo, Rússia); Rohvolution (Speyer, Alemanha); PMA Fruittrade Latin América (Santiago, Chile); Fruit Attraction (Madrid, Espanha); WOP Dubai (Dubai, Emirados Árabes); HortEx Vietnam (Cidade Ho Chi Minh, Vietnam); Fiera di Vita in Campagna (Montichiari, Itália), etc.
Para a Frutos – Feira Nacional de Hortofruticultura das Caldas da Rainha chegar à excelência é necessário um grande trabalho de bastidores, realizando, por exemplo, extensos contatos com produtores de norte a sul do país. Além de ser imprescindível diminuir drasticamente a venda de produtos que não possuem nenhuma relação com o tema central. Sei que não será fácil, pois os interesses – privados – económicos são exageradamente grandes, e, aquela feira, sendo um filão muito importante na balança comercial de alguns, certamente, se deixar de o ser, trará incómodos monetários a quem dela se lambuza.
De entre as inúmeras mudanças a realizar, é necessário estender a Frutos pelo centro da cidade (acabando-se com a cobrança de bilhetes), abrindo, assim, uma grande janela para o comércio tradicional, que continua a agonizar, dia após dia.
Caldas da Rainha pode ter, e merece, mais!
Tags:

 
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar