28-08-2019 Mariana Martinho Imprimir PDF     Print    Print

Feira dos Frutos 2019 registou 100 mil visitantes em 10 dias

Terminou no passado domingo, mais uma edição da Feira Nacional de Hortofruticultura das Caldas da Rainha - Frutos 2019, que ao longo de dez dias voltou atrair cerca de 100 mil visitantes ao Parque D. Carlos I, para assistir aos concertos, comprar fruta, comer nos diversos espaços e usufruir das várias ofertas de animação. Por essa razão, o balanço é “muito positivo” sublinhou o presidente da Câmara das Caldas da Rainha, Tinta Ferreira, que igualmente mostrou-se satisfeito com o facto de se ter conseguido uma maior limpeza, durante o evento, “sem copos, nem beatas no chão”.

[+] Fotos
Cerimónia de encerramento

Entre os dias 16 e 25, famílias inteiras, grupos de jovens, caldenses e muitos estrangeiros visitaram e desfrutaram dos vários espaços, que ofereceram fruta, bem como tiveram a possibilidade de assistir a apontamentos de atividades culturais, desportivas, animação para as crianças, showcooking´s, sessões temáticas, além dos concertos com grandes nomes da música nacional.

Neste 31ª edição da Frutos havia sempre qualquer coisa acontecer, desde atuações de grupos de música a workshops para profissionais e para o público, bem como venda de produtos biológicos, nutrição e bem-estar, maquinaria, e muita gastronomia do concelho, o que contribuiu para a “consolidação e adaptação às novas realidades desta quarta edição da terceira temporada da Feira dos Frutos”.

Na cerimónia de encerramento, que antecedeu ao concerto do Rui Veloso, o presidente da Câmara Municipal, Tinta Ferreira, referiu que “esta 31ª edição da Frutos provou que o evento pode realizar-se no parque, mas com cuidados acrescidos de sustentabilidade e ecológicos, sem copos, nem beatas no chão”. Isso significa que houve uma evolução sobre esse ponto de vista, e é com “satisfação que vejo isso”.

Em termos de público, Tinta Ferreira explicou que “os dados apontam para números equivalentes a 2018”, o que é “um sinal muito positivo e relevante”.

Ao nível dos artistas, o edil sublinhou o facto de em quatro edições, nunca se ter repetido um artista ou grupo musical, visto que pelo palco da Frutos já passaram 40 grupos e artistas, nacionais. Nesse sentido será “mais difícil continuarmos a ter esta performance”, sendo natural a repetição de algo no futuro.

Aproveitou ainda para destacar o aumento de produtos da época no certame, bem como de entidades ligadas ao sector agrícola, o que significa que “continuaremos a fazer eventos de qualidade como esta Frutos, sem exercer carga em demasia, no Parque D.Carlos I”.

Já o vice-presidente da Câmara, Hugo Oliveira, realçou que a feira tem vindo a melhorar de ano para o ano, não só ao nível da programação, mas, em especial, nas medidas ambientais que têm sido tomadas. Recordou que esta organização optou pela distribuição de ecocinzeiros portáteis para minimizar o impacto das beatas no chão, e vendeu copos reutilizaveis, durante todo o evento, o que permitiu por parte da coordenadora do projeto Ecoeventos da Valorsul, Daniela Abreu, um elogio.

Para além da limpeza, a Valorsul ficou muito agradada com a grande quantidade de recipientes para o “lixo normal” e para o plástico ou papel.

“Tudo isto mostra que o evento pode continuar no parque, mas, com esta preocupação de mantermos aquilo que de bom temos”, esclareceu o autarca, adiantando que nesta edição também houve um “aumentou de 80%, ou seja de 10 para 18 entidades ligadas ao sector”, o que é “um crescimento considerável, mas que para nós ainda é insuficiente”.

Para o responsável pela organização, “esta edição correu bem e é um exemplo claro de que a população estava ansiosa, por voltar a frequentar a Frutos no parque”.

Na sessão de encerramento também esteve presente o diretor do Centro de Gestão Agrícola de Alvorninha, José Henriques, que referiu, a “feira foi novamente um sucesso, pois tem conseguido divulgar os produtos da região”. Contudo, considerou que “há coisas a melhorar” no que diz respeito à envolvência de ainda mais produtores.


Vencedores dos Prémios Frutos 2019


Na cerimónia de encerramento também foram anunciados os vencedores do Prémio Frutos 2019, tendo sido a tarte de maçã da Frubaça, o Fofo de chocolate e limão com cobertura de frutos vermelhos, da Fofos da Rainha, e o Morango fresco, da Frescos da Vila. Em prova estiveram diversos produtos, todos para a categoria Produto Sabor & Qualidade, subdividida em pastelaria, confeitaria, frescos e bebidas.

A ideia da organização do evento ao instituir um galardão desta natureza, é premiar o produto agroalimentar em fresco ou transformado, que esteja disponível no mercado, que se distinga pelas suas características sensoriais e de qualidade. Que seja um produto que promova hábitos alimentares e/ou estilos de vida saudáveis, ou a sustentabilidade na cadeia de valor ou relevante dinâmica económica e empresarial.

Este Prémio, reflete ainda a missão da “Feira dos Frutos”, enquanto “montra representativa do que de melhor se faz no setor agroalimentar”, constituindo também um estímulo à produção de qualidade, diferenciadora, e que se apresente ao mercado de forma inovadora e atrativa para o consumidor.

Igualmente foram entregues as menções honrosas para o Fidalguinho (Maravilhas DA RUTTE Sophia), cerveja artesanal Cerveja Bordallo, Morango Fresco (Frutas Classe, S.A.), Tomate redondo (Gilma de Aguiar dos Santos), Mel crú de inverno multifloral (Prata de Mel). Já a pera rocha e maçã reineta do Pomar do Oeste recebem um certificado de participação.

No concurso “Sabores Frutos” da restauração, o vencedor foi o hamburger vegetariano, servido em pão de beterraba com batata-doce do Eusebio’s Hamburgueria, tendo recebido uma menção honrosa. Também a Fresh-no-meat-no fish apresentou o prato Beyond meat em bolo caco, e o choco frito com batata frita tipo caseira, do Choco da Marisa, receberam certificado de participação.
Tags:

 
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar