23-03-2020 Marlene Sousa Imprimir PDF     Print    Print

Fruticultores do Cadaval ansiosos com a incerteza da possibilidade de produzir

Como está a acontecer um pouco pelo país face à situação de emergência de saúde pública decretada, José Bernardo Nunes, presidente da Câmara do Cadaval, está focado no apoio aos “idosos e aos carenciados do concelho”, mostrando-se também preocupados com a ansiedade dos fruticultores, que desempenham a principal atividade económica do concelho.

José Bernardo Nunes, presidente da Câmara do Cadaval
O autarca respondeu a algumas questões do JORNAL DAS CALDAS.

JORNAL DAS CALDAS - Para além das medidas já tomadas no concelho, agora depois do decreto do estado de emergência o que mudou no Cadaval?
José Bernardo Nunes: Concordamos com as medidas tomadas. Era necessário estabelecer regras mais apertadas, sem dúvida. Tudo o que venha contribuir para que possamos reduzir ao máximo os riscos de contacto é bem-vindo. Julgo que neste momento é o que se pode fazer e no geral os cadavalenses têm estado a acatar todas as recomendações da Direção-Geral de Saúde (DGS) e do Governo. É a sensação que tenho.

J.C. - Estão a pensar em criar um hospital de campanha?
J.B.N.: Temos um espaço preparado com 40 camas e um outro com a possibilidade de instalar mais 10, como resposta a alguma solicitação da DGS.

J.C. - Existe algum infetado com a Covid -19 no concelho?
J.B.N: Neste momento, a informação oficial de que dispomos é que temos sete pessoas em vigilância ativa das autoridades.

J.C. - Concorda com as medidas do Governo para apoiar as empresas?
J.B.N: No geral sim, mas ainda falta definir algumas das regras para poder ter uma ideia mais precisa sobre o assunto.

J.C. - Como é que esta crise está a afetar os produtores, nomeadamente do setor da agricultura?
J.B.N: Para já, registamos uma grande ansiedade por parte dos produtores, o que é normal dada a incerteza da capacidade para continuar a produzir, mas também quanto aos mercados e ao consumo. No que respeita aos trabalhos normais para a época, para além de uma procura anormalmente elevada no que diz respeito ao fornecimento de fitofármacos, tudo decorre dentro do que é habitual.

J.C. - Além das medidas do Governo de apoio às empresas o Município tem algum plano para ajudar a minimizar os prejuízos das empresas e produtores instalados no concelho do Cadaval?
J.B.N: Neste momento, aguardamos as medidas do Governo para perceber o que vem aí em concreto. Neste momento, estamos focados na resposta aos casos relacionados com o apoio aos idosos e aos carenciados do concelho, os quais necessitam de uma resposta social já e não podem esperar por medicamentos ou bens essenciais como alimentação.

J.C. - Face à quebra de rendimentos dos munícipes, a autarquia tem algum plano. Por exemplo, estão a estudar a hipótese de famílias e empresas do concelho ficarem isentas do pagamento da água?
J.B.N: É um assunto que podemos ter que vir a equacionar, não descarto essa possibilidade, mas tem de ser um assunto a estudar por todos, Governo central e administração local, pois a Câmara tem de pagar o fornecimento em alta.

J.C. - Que mensagem quer passar à população nesta altura difícil?
J.B.N: Uma mensagem de esperança, que tenham cuidado e sigam as orientações da DGS. Estou certo de que se cada um de nós fizer a sua parte bem feita, podemos ultrapassar esta dificuldade com pouco impacto na nossa comunidade.

J.C. - Está a trabalhar em casa através de reuniões em videoconferência?
J.B.N: Tenho de estar no terreno e acompanho os nossos serviços de perto, como é óbvio tomo todas as precauções. Só as reuniões de Câmara é que estou a fazer por videoconferência.
Tags:

 
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar