29-03-2021 Imprimir PDF     Print    Print

Ministério Público pede 25 anos de cadeia para pai e madrasta de Valentina

O Ministério Público de Leiria pediu 25 anos de prisão para o pai e para a madrasta de Valentina, menina de 9 anos que foi assassinada a 6 de maio do ano passado em Atouguia da Baleia, Peniche, onde vivia temporariamente.

Local onde a menina foi abandonada morta continua com flores, peluches e mensagens
A procuradora sustentou que, apesar de ter sido o pai, Sandro Bernardo, a provocar as lesões que levaram à morte de Valentina, a sua companheira "nada fez para impedir” as agressões e “não tinha nenhum impedimento" para que não o fizesse, nem promoveu o socorro à menor.
Por outro lado, o pai em nenhum momento mostrou tristeza pela morte da filha, tendo sido pedida inibição do poder paternal por 10 anos para Sandro.
Durante o confinamento devido à pandemia da Covid-19, em março do ano passado Valentina passou a residir na casa do pai, porque a mãe, residente no Bombarral, estava a trabalhar.
De acordo com o Ministério Público, o progenitor, de 33 anos, natural de Caldas das Rainha, confrontou a filha com a “circunstância de ter chegado ao seu conhecimento que a mesma tinha mantido contactos de cariz sexual com colegas da escola”.
Na presença da companheira, Márcia Bernardo, de 39 anos e natural de Peniche, ameaçou Valentina com uma colher de pau, que depois terá usado para lhe bater, quando esta se encontrava na casa de banheira. Ter-lhe-á ainda atirado água a ferver e infligido violentos abanões.
O meio-irmão de Valentina, filho de Márcia, com treze anos, ouviu tudo, mas foi mandado para o quarto, sob ameaça de ficar sem a mãe e duas irmãs, filhas do casal.
Já inanimada, Valentina permaneceu deitada no sofá, sem que os arguidos pedissem socorro. O casal saiu de casa e foi à lavandaria, deixando a menor “a agonizar”.
A criança acabou por morrer devido a contusão cerebral com hemorragia. O casal escondeu o corpo numa zona florestal, na Serra d’El Rei a poucos quilómetros de distância, e combinou, no dia seguinte, contar as autoridades que a criança tinha desaparecido, alimentando uma história de rapto ou de fuga.
O casal é acusado dos crimes de homicídio qualificado e de profanação de cadáver, em coautoria, para além dos crimes de abuso e simulação de sinais de perigo, para além do pai da criança estar ainda acusado de um crime de violência doméstica.
Tags:

 
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar