28-06-2018 Sociedade, Política, Lusa Lusa / Notícias Imprimir PDF     Print    Print

Marcelo diz que morte Fernanda da Bernarda representa perda de "exemplo de coragem cívica"

Coimbra, 28 jun (lusa) – O Presidente da República lamentou hoje a morte de Fernanda da Bernarda, advogada e dirigente estudantil na crise académica de 1969, considerando que “Portugal perdeu um exemplo de coragem cívica, uma personalidade de invulgar estatura moral”.

Numa mensagem colocada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa apresenta à família de Fernanda da Bernarda as suas “mais sentidas condolências”.

“Lutadora pela liberdade, Fernanda da Bernarda distinguiu-se na crise académica de 1969, onde, entre o mais, exerceu funções como secretária-geral da Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra”, escreve na nota.

O chefe de Estado refere ainda que Fernanda da Bernarda, “após o 25 de Abril, continuou a combater pelos valores em que acreditava, tendo sido justamente distinguida, pelo Presidente Jorge Sampaio, com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade”.

Fernanda da Bernarda morreu na quarta-feira, em Setúbal, aos 73 anos de idade, disse à agência Lusa um amigo da família.

Distinguida pelo Presidente da República Jorge Sampaio com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, Maria Fernanda Vieira da Bernarda nasceu, em dezembro de 1944, em Alcobaça e estudou em Coimbra, onde foi fundadora de uma das primeiras repúblicas de estudantes feminina.

Destacada dirigente do movimento estudantil que, no final da década de 1960, ficou conhecido por ‘crise académica de 69’ (e que levou à substituição do ministro da Educação, José Hermano Saraiva, por Veiga Simão e à aceitação prévia do novo reitor da Universidade de Coimbra, Gouveia Monteiro), Fernanda da Bernarda foi, então, secretária-geral da Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra.

Antes de 1974, Fernanda da Bernarda militou durante algum tempo no Partido Comunista Português (PCP) e, depois do 25 de Abril, no Movimento de Esquerda Socialistas (MES) e pertenceu à Loja Humanidade da Ordem Maçónica Mista Internacional Le Droit Humain.

Advogada de sindicatos no Porto e em Lisboa, nos TLP (Telefones de Lisboa e Porto) e na PT (Portugal Telecom), Fernanda da Bernarda terminou a carreira como adjunta do Provedor do Cliente de Telecomunicações do Grupo PT.

Fernanda da Bernarda padeceu durante mais de três décadas de esclerose múltipla que, na última década, a manteve acamada, disse ainda à agência Lusa, José Matos Pereira, amigo e seu colega, designadamente na direção da AAC em 1969 e quando foi Provedor do Cliente de Telecomunicações do Grupo PT.

 

JPS/JEF // SB

Lusa/Fim

Fonte: VIP - Oeste Global - Jornal Oeste Online / Lusa - © Direitos Reservados (conteúdo exclusivo protegido por contrato)
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar login, ou registar-se, para poder comentar este conteúdo.
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar