21-06-2018 Cultura, Sociedade, Lusa Lusa / Notícias Imprimir PDF     Print    Print

Multiculturalidade em foco nas exposições de Praneet Soi e Aimée Zito Lema

Lisboa, 21 jun (Lusa) - As viagens dos saberes artesanais e as memórias transmitidas através das gerações, percorrem as obras dos artistas Praneet Soi e Aimée Zito Lema, com exposições a partir de sexta-feira, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

As duas exposições foram apresentadas aos jornalistas numa visita guiada pela diretora do Museu Gulbenkian, Penelope Curtis, os artistas e os curadores.

O artista indiano Praneet Soi, nascido em 1971, em Calcutá, apresenta três instalações na exposição "Terceira Fábrica", resultado de uma pesquisa que cruza as artes tradicionais de Caxemira com as coleções do Museu Gulbenkian e o fabrico de azulejos na Fábrica Bordallo Pinheiro, nas Caldas da Rainha.

Partindo de azulejos que Praneet Soi encontrou nas ruínas de um túmulo de um sultão indiano, com quinhentos anos, e do trabalho de artesãos em Caxemira, o artista fez uma ligação às Caldas da Rainha, onde a peça foi reproduzida, e introduziu ainda um diálogo com um jarro antigo da coleção Gulbenkian.

"Os azulejos interessam-me muito porque a partir deles é possível criar muitas composições", disse o artista, questionado pela agência Lusa sobre o seu interesse por este tipo de trabalho.

Penelope Curtis explicou aos jornalistas que conheceu o trabalho do artista indiano, que vive em atualmente em Amsterdão, em 2015, na Feira Frieze de Arte Contemporânea, em Londres, e no ano seguinte convidou-o a criar um projeto para a Gulbenkian, onde obteve "um resultado inesperado".

"É um artista que está interessado em tudo. Desde o artesanato, à arquitetura da cidade, à comida, às reservas do museu. Foi um processo de grande descoberta de Lisboa, que ele não conhecia", comentou.

As três instalações são cobertas por azulejos que Praneet reproduziu na Fábrica Bordallo Pinheiro, nas Caldas da Rainha, e duas delas funcionam como painéis onde são projetadas imagens do processo de fabrico e, noutra, imagens de experiências na Mouraria, com comentários, e de peças da Gulbenkian, nomeadamente um tapete da Índia Mogol.

"Praneet Soi. Terceira Fábrica. De Caxemira a Lisboa, via Caldas", a exposição, abre ao público na sexta-feira e ficará patente até 01 de outubro de 2018.

A exposição da artista Aimée Zito Lema, nascida em Amesterdão, em 1982, resulta de uma residência artística em Lisboa, onde trabalhou com o Grupo de Teatro do Oprimido, e apresenta-se no âmbito de um projeto internacional, coordenado pela Universidade Católica e cofinanciado pelo programa Europa Criativa, que procura encontrar formas de passar do conflito à convivialidade.

Com curadoria de Luísa Santos, Ana Cachola e Daniela Agostinho, a mostra intitula-se "13 Shots", abre ao público a 29 de junho e ficará patente até 24 de setembro.

Aimée Zito Lema explicou aos jornalistas que realizou exercícios performativos num 'workshop' com adolescentes de origem africana residentes em Lisboa, em comunidades desfavorecidas, que são habitualmente o alvo do Grupo de Teatro Oprimido.

A partir de exercícios performativos realizados em conjunto, tendo como base a transmissão as memórias do 25 de Abril, entre as diferentes gerações e o arquivo fotográfico do antigo serviço Acarte da Gulbenkian (Serviço de Animação, Criação Artística e Educação pela Arte), a artista questiona o modo como a memória se transmite por via de histórias.

"Através de vídeo, fotografias e esculturas, mostro como usei o material histórico, a partir do arquivo, a teatralização e as histórias contadas sobre a Revolução que ouviram dos seus familiares", explicou.

A artista procura tornar visível a complexidade dos processos de transmissão da memória, que se materializam em diversos suportes, imagens, camadas e gestos, ora de conflito, ora de convivialidade.

Uma terceira mostra será apresentada pela Gulbenkian a 20 de julho, resultado de um convite feito ao realizador Joaquim Sapinho, que irá traçar um itinerário na nave do Edifício da Coleção Moderna, a partir de alguns momentos marcantes da biografia de Calouste Sarkis Gulbenkian, o fundador da instituição.

 

AG // MAG

Lusa/Fim

Fonte: VIP - Oeste Global - Jornal Oeste Online / Lusa - © Direitos Reservados (conteúdo exclusivo protegido por contrato)
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar login, ou registar-se, para poder comentar este conteúdo.
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar