07-01-2019 Lusa Lusa / Notícias Imprimir PDF     Print    Print

Julgamento de corrupção nas messes da Força Aérea começa hoje em Sintra

Sintra, Lisboa, 07 jan (Lusa) – O Tribunal de Sintra começa hoje a julgar o processo de corrupção nas messes da Força Aérea Portuguesa (FAP), conhecido como Operação Zeus, que conta com 68 arguidos, 30 militares e 38 civis, entre empresas e pessoas individuais.

O coletivo de juízes, presidido por Susana Marques Madeira, marcou o início da sessão para as 09:30, com continuação à tarde.

Em causa está o envolvimento destes militares num alegado esquema de sobrefaturação na aquisição de bens e matérias-primas para a confeção de refeições nas messes da FAP e do Hospital das Forças Armadas, tendo o Ministério Público (MP) referido na acusação um valor de mais de 2,5 milhões de euros.

Em troca da sobrefaturação dos contratos para o fornecimento de bens alimentares, os militares recebiam, alegadamente, dinheiro e presentes dos fornecedores, em função da intervenção de cada um no esquema fraudulento.

O major-general (agora na reserva) Raul Milhais Carvalho, que era então responsável pela Direção de Abastecimento e Transportes (DAT) da FAP, localizada no Estado Maior da Força Aérea (EMFA), em Alfragide, concelho de Amadora, é um dos principais arguidos.

Entre os restantes arguidos estão oficiais superiores da FAP, nomeadamente dois coronéis (um dos quais na reserva), dois tenentes-coronéis, três majores (um na reserva), além de quatro capitães e vários militares da classe de sargentos.

À data dos factos (desde pelo menos 2011), estes militares estavam colocados na DAT e nas messes onde houve registo de crimes: Base Aérea n.º 1 (BA1 - Sintra), BA4 (Lajes, Açores), BA5 (Monte Real, Leiria), BA6 (Montijo), BA11 (Beja), Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea (Ota - Alenquer), Comando Aéreo (Monsanto – Lisboa), Campo de Tiro (Alcochete), EMFA, Alfragide, Aeródromo de Trânsito n. º1 (Figo Maduro) e Depósito Geral de Material da Força Aérea (Alverca).

Em 14 de fevereiro do ano passado, o Tribunal Central de Instrução Criminal decidiu levar a julgamento 68 dos 86 arguidos inicialmente acusados pelo MP - 40 militares e 46 civis, entre empresários, empresas e trabalhadores -, tendo o juiz determinado, nesse dia, a libertação dos 18 arguidos que estavam em prisão preventiva.

Na leitura da decisão instrutória, o juiz Ivo Rosa proferiu despacho de não pronúncia (decidiu não levar a julgamento) 18 dos arguidos (dez militares, duas empresas e seis civis), e deixou cair os crimes de falsidade informática e de associação criminosa por considerar que não se provou a existência de “uma estrutura organizada”, mas antes uma estrutura militar através da qual os arguidos “praticaram os factos ilícitos”.

O processo segue agora para julgamento com 68 arguidos a responder por corrupção passiva (os militares) e por corrupção ativa (os fornecedores) e por falsificação de documentos.

JGS // HB

Lusa/Fim

Fonte: VIP - Oeste Global - Jornal Oeste Online / Lusa - © Direitos Reservados (conteúdo exclusivo protegido por contrato)
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar login, ou registar-se, para poder comentar este conteúdo.
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar