20-12-2018 Economia, Sociedade, Política, Lusa Lusa / Notícias Imprimir PDF     Print    Print

Trabalhadores da Matutano em greve 6.ª-feira contra regime de trabalho contínuo

Lisboa, 20 dez (Lusa) – Os trabalhadores da Matutano vão estar esta sexta-feira em greve contra o que o sindicato diz ser a atitude “vil e egoísta” da administração querer implementar, em janeiro, um regime de laboração contínua, sem negociação prévia.

“A empresa quer fazer de uma forma unilateral, sem negociação com o SINTAB, a implementação de uma laboração contínua [a partir de 02 de janeiro]. Os trabalhadores, que têm trabalhado desde sempre em regime de três turnos, [não aceitam o novo regime] que pressupõe que sábados, domingos e feriados sejam dias normais de trabalho”, disse o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias da Alimentação, Bebidas e Tabaco de Portugal (SINTAB), Rui Matias, à Lusa.

Para o sindicato trata-se de “uma atitude vil e egoísta da administração” que não quer negociar a implementação do regime, que constituí um “transtorno muito grande” para a vida familiar dos trabalhadores da empresa.

“A Matutano é uma empresa ‘sui generis’ com muitas mães trabalhadoras. Isto é um drama para estas mães, muitas delas jovens, que não têm onde deixar os seus filhos nos feriados sábados e domingos […]. Neste momento, há trabalhadores a pensar se valerá a pena continuar na empresa”, acrescentou.

Segundo Rui Matias, a administração da Matutano Portugal reuniu-se hoje com cerca de 200 trabalhadores para anunciar que o novo regime iria avançar “contra tudo e contra todos”, recusando-se a responder às questões dos funcionários.

O dirigente sublinhou ainda que o SINTAB fez chegar à administração da empresa a possibilidade da retirada do pré-aviso de greve, caso a negociação avançasse, mas não recebeu qualquer resposta.

Face à recusa da empresa, os trabalhadores optaram por mostrar “o quanto estão revoltados, indignados e o quanto querem que os seus direitos e das suas famílias sejam respeitados”.

No entanto, Rui Matias denunciou que há muitas famílias a trabalhar na empresa, estando os elementos do casal a ser “assediados a comparecer ao seu local de trabalho, em função do seu cônjuge ou da sua situação contratual”.

O sindicalista frisou ainda que o grupo PepsiCo, dono da Matutano, “precisa de saber o que a administração portuguesa anda a fazer”.

Para além da greve, os trabalhadores vão manifestar-se esta sexta-feira em frente à empresa, em Alenquer, distrito de Lisboa, a partir das 07:00.

O protesto vai contar com a presença do secretário geral da CGTP, Arménio Carlos, e com deputados da Assembleia Municipal de Alenquer e da Assembleia da República.

Questionado sobre a possibilidade de os trabalhadores da Matutano avançarem com novas formas de luta, caso a administração não apresente uma resposta às reivindicações, o responsável vincou que o protesto de sexta-feira “é apenas o começo”.

A administração “vai saber aquilo que tem de enfrentar. Se não tivermos respostas fazemos, [esta sexta-feira] um plenário em frente à empresa, no qual os trabalhadores se irão manifestar sob as formas de luta que achamos convenientes, uma delas de nos dias 02,03 e 04 de janeiro entrarmos, novamente, em luta com um pré-aviso de greve”, concluiu.

Em resposta à Lusa, o grupo PepsiCo disse que a fábrica em questão está "a implementar uma nova organização de turnos devido à necessidade operacional e volume de crescimento", notando que, embora a mudança "tenha sido informada aos representantes do sindicato e esteja em conformidade com a lei, o acordo coletivo e os contratos individuais", reconhece o direito dos funcionários à greve.

"Continuamos comprometidos em manter um diálogo aberto e construtivo", afirmou.

 

PE // MSF

Lusa/Fim

Fonte: VIP - Oeste Global - Jornal Oeste Online / Lusa - © Direitos Reservados (conteúdo exclusivo protegido por contrato)
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar login, ou registar-se, para poder comentar este conteúdo.
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar