07-08-2018 Cultura, Lusa, Peniche Lusa / Notícias Imprimir PDF     Print    Print

Pacheco Pereira integra comissão de conteúdos do Museu da Resistência em Peniche

Peniche, Leiria, 07 ago (Lusa) – O historiador José Pacheco Pereira vai passar a integrar a Comissão de Instalação dos Conteúdos e da Apresentação Museológica do futuro Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, em Peniche, cuja composição foi hoje alterada por despacho ministerial.

O despacho publicado hoje no Diário da República (DR), assinado pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, determina a substituição do historiador João Bonifácio Serra por José Pacheco Pereira.

A inclusão do investigador é a única alteração na composição da Comissão de Instalação dos Conteúdos e da Apresentação Museológica (CICAM) do futuro Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, em Peniche, criada em 15 de janeiro deste ano.

De acordo com o despacho de criação, a CICAM tem a missão de propor os conteúdos a expor naquele museu nacional e sugerir linhas de orientação acerca da apresentação museográfica, “em linha com a história da Fortaleza de Peniche desde a sua construção e a preservação da memória da sua história recente, nos contextos da resistência à ditadura e na luta pela democracia".

A comissão integra a diretora-geral do Património Cultural, Paula Silva, o presidente da Câmara Municipal de Peniche, Henrique Bertino, e o chefe de gabinete do ministro da Cultura, Jorge Leonardo.

Da CICAM fazem ainda parte Adelaide Pereira Alves, Manuela Bernardino (do PCP), os ex-presos políticos Domingos Abrantes, Fernando Rosas, José Pedro Soares (também membro da União dos Resistentes Antifascistas Portugueses) e Raimundo Narciso (representante do movimento cívico "Não Apaguem a Memória”) e, desde o despacho de hoje, José Pacheco Pereira.

O Governo decidiu investir 3,5 milhões de euros na recuperação da Fortaleza de Peniche, distrito de Leiria, para vir aí a instalar o Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, depois de, em 2017, a ter retirado da lista de monumentos a concessionar a privados para fins turísticos, dada a polémica que gerou.

Já este ano, foi apresentado o guia de conteúdos do museu, com 11 núcleos temáticos, e lançado concurso de um milhão de euros para a requalificação do monumento.

A fortaleza, classificada como Monumento Nacional desde 1938, foi uma das prisões do Estado Novo de onde se conseguiu evadir, entre outros, o histórico secretário-geral do PCP Álvaro Cunhal, em 1960, protagonizando um dos episódios mais marcantes do combate ao regime ditatorial.

 

DYA (FYC) // TDI

Lusa/Fim

Fonte: VIP - Oeste Global - Jornal Oeste Online / Lusa - © Direitos Reservados (conteúdo exclusivo protegido por contrato)
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar login, ou registar-se, para poder comentar este conteúdo.
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar