13-09-2018 Lusa, Alcobaça Lusa / Notícias Imprimir PDF     Print    Print

Medidas preventivas limitam construção em São Martinho do Porto

Alcobaça, Leiria, 13 set (Lusa) – A construção em São Martinho do Porto, no concelho de Alcobaça, vai ser limitada a partir de quinta-feira, com a entrada em vigor das medidas preventivas para a salvaguarda paisagística e ambiental, publicadas hoje em Diário da República.

As medidas preventivas que limitam a construção em São Martinho do Porto foram publicadas na sequência de uma proposta da autarquia visando “a salvaguarda paisagística e ambiental” da estância balnear do concelho de Alcobaça (distrito de Leiria), disse à Lusa o presidente da Câmara, Paulo Inácio.

De acordo com o autarca, “o atual Plano Diretor Municipal (PDM), que se encontra em revisão, é demasiado permissivo e não acautela a necessária proteção ambiental e paisagística em algumas zonas da freguesia”, o que levou a autarquia a “tomar medidas para que até que entre em vigor o novo PDM seja proibida a construção naqueles locais”.

As medidas preventivas que entram em vigor na quinta-feira aplicam-se às zonas dos Medros e das Colinas.

A primeira, com uma área de 132. 062,90 metros quadrados, está classificada no atual PDM como espaço urbano/espaço urbanizável. A segunda, com uma área de 439. 765,50 metros quadrados, tem a classificação de espaço urbano/espaço florestal e outras áreas agrícolas, refere o DR.

A deliberação proíbe operações de loteamento e obras de urbanização, de construção de ampliação, de alteração e de reconstrução, “com exceção das que estejam isentas de controlo administrativo prévio”.

Ficam também proibidos os trabalhos de remodelação de terrenos, a demolição de edificações existentes e o derrube de árvores.

As medidas excetuam as obras para equipamentos públicos e as intervenções de proteção da orla costeira, bem como as referentes à implementação do Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Alcobaça-Mafra (em vigor) ou do Programa da Orla Costeira Alcobaça-Cabo Espichel, quando publicado.

As medidas preventivas vigorarão por um prazo de dois anos, ao longo dos quais Paulo Inácio espera “ver aprovada e em vigor a revisão do PDM, em que estas áreas ficarão salvaguardadas”.

Caso a entrada em vigor do PDM não se verifique nesse prazo, o autarca admite a prorrogação das medidas preventivas por mais um ano.

 

DYA // ROC

 

Lusa/Fim

Fonte: VIP - Oeste Global - Jornal Oeste Online / Lusa - © Direitos Reservados (conteúdo exclusivo protegido por contrato)
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar login, ou registar-se, para poder comentar este conteúdo.
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar