09-05-2018 Lusa, Lourinhã Lusa / Notícias Imprimir PDF     Print    Print

Advogados lamentam não serem ouvidos nas alterações ao mapa judiciário

Lourinhã, Lisboa, 09 mai (Lusa)- O bastonário da Ordem dos Advogados manifestou-se hoje surpreendido por o Ministério da Justiça (MJ) ter enviado à Assembleia da República uma alteração ao mapa judiciário, sem dar conhecimento e aguardar pelos contributos desta classe.

“Fomos surpreendidos, porque o Ministério da Justiça enviou para a Assembleia da República uma proposta de reorganização judiciária que devia ter sido enviada também para nós. Julgo que metodologicamente não foi positivo”, afirmou Guilherme Figueiredo em declarações à margem de um programa de reuniões e visitas à Lourinhã, no distrito de Lisboa, no âmbito de um périplo que está a fazer pelo país para dialogar com advogados e conhecer os problemas da justiça.

“Estávamos a trabalhar em propostas, mas ao sermos surpreendidos por uma alteração que não chegou à Ordem dos Advogados, precisamos de estudar essas alterações e ajustar a nossa posição”, acrescentou.

A 18 de abril, o MJ esclareceu que a Lei da Reorganização do Sistema Judiciário prevê a reavaliação do mapa decorridos três anos sobre a reforma.

Nesse âmbito, remeteu ao Parlamento um documento preliminar de reavaliação dessa reforma, através da Direção-Geral de Administração da Justiça (DGAJ), que ainda não está concluído".

O ministério de Francisca Van Dunem adianta que, no exercício dessa reavaliação, a DGAJ ouviu já 22 dos 23 órgãos de gestão das comarcas e elaborou o documento.

Segundo o jornal Público, entre as alterações previstas no documento está a criação de um tribunal de comércio em Lagoa, no Algarve, e a realização de julgamentos cíveis nos chamados juízos de proximidade - uma espécie de balcões de atendimento onde já são julgados os processos crime puníveis com penas até 5 anos de prisão.

Outras das alterações preveem que, em determinadas comarcas, alguns dos juízes fiquem afetos não só a um, mas a dois tribunais diferentes, rentabilizando o seu serviço.

O documento preliminar prevê ainda, segundo o jornal, que Angra do Heroísmo (Açores) ganhe um juízo especializado misto para litígios relacionados com questões laborais e de família e menores.

FYC (FC/GC) // JMR

Lusa/Fim

Fonte: VIP - Oeste Global - Jornal Oeste Online / Lusa - © Direitos Reservados (conteúdo exclusivo protegido por contrato)
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar login, ou registar-se, para poder comentar este conteúdo.
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar