04-06-2020 Francisco Martins da Silva Imprimir PDF     Print    Print

Parar ou parir

Eu paro, tu paras, ele para.

Francisco Martins da Silva
Que português é este? “Eu paro”, ainda vá, quer dizer que estou neste momento a parir (com esforço, este texto). Mas, e “paras”, que palavra é esta? De onde vem? E o que quer dizer “tu paras”? E “ele para”? Para onde, para quê? Como pode ser “ele para” uma forma verbal? Se formos ao presente do conjuntivo, que eu pare, que tu pares, que ele pare, continuamos a falar de parir e não de parar. Eliminando o acento agudo, diferencial para estas palavras homógrafas, amputou-se o verbo parar de algumas das suas mais comuns conjugações.
O inadjectivável Acordo Ortográfico de 1990 está cheio de absurdos caricatos e risíveis como este, transformando a nossa amada língua num anedotário de confusão. Ao substituir o primado da etimologia por indeterminada tradição de pronúncia culta, eliminou-se a esmo hífens, acentos, consoantes mudas, maiúsculas, et cetera.
Mas que tradição oral culta vem a ser esta? Onde é tradicional dizer que estou a parir quando quero dizer que estou a parar?
Inicialmente, pareceu-me uma boa ideia, harmonizar o português de toda a Lusofonia, para facilitar o entendimento entre os povos e agilizar o vasto mercado editorial em português, havendo o compromisso de se ir aperfeiçoando e corrigindo o Acordo. Passados tantos anos, é evidente que estes objectivos não serão atingidos. Nem se percebe, hoje, a óptica dos acordistas — ótica, segundo eles, passando-se a confundir visão e audição. Quanto à harmonização da língua, só piorou: com o primado da pronúncia e as duplas grafias criou-se um labirinto babélico.
Reina o caos ortográfico e grande número de publicações rejeitam o Acordo. À excepção de Portugal e do Brasil, e cada um à sua maneira, os outros países de língua portuguesa ignoram-no. E em Portugal, nem nos documentos oficiais o conseguem cumprir correctamente. Quanto ao aperfeiçoamento, a lógica linguística, nas suas várias especialidades (fonética, morfologia, sintaxe, semântica, lexicologia, pragmática, entre outras), foi de tal modo estilhaçada que não há emenda possível.
Como exemplifica o autor e revisor linguístico Manuel Monteiro, no seu imprescindível livro Por Amor à Língua (Objectiva, 2018), com inúmeras estranhas novas palavras como “corréu”, em vez de co-réu, ou “cocomandante”, em vez de co-comandante, ou “arquiteta” (a maior teta?, a teta mais importante?, será homenagem à arquiteta do Estado na qual também mamaram os acordistas?), havia, nos vários países lusófonos, 2691 palavras que se escreviam de forma diferente e que se mantêm diferentes; havia 569 palavras diferentes que se tornam iguais; e havia 1235 palavras iguais que se tornaram diferentes. Portanto, o desacordo é mais do dobro do Acordo.
Resta ultrapassar a casmurrice e voltar à norma etimológica que ainda norteou o Acordo de 1945, com as alterações introduzidas em 1971 relativas a alguns acentos que marcavam a sílaba subtónica nas palavras derivadas com o sufixo mente ou iniciado por z (ex.: sòmente, terrívelmente, sózinho, cafézinho).
Como diz Nuno Pacheco, intrépido anti-acordista do jornal Público, o único acordo admissível é reconhecer as variantes nacionais e fixá-las como partes de um corpo comum, o da língua portuguesa.
Tags:

 
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar