27-07-2020 Alberto Campos Imprimir PDF     Print    Print

Tantas pandemias! E depois?

Parece-me que os portugueses têm sido, desde há décadas, suficientemente premiados com pandemias! Quando esta da Covid-19 se instalou, já me tinha apercebido de outras grandes pandemias por todos nós suportadas. Bem me lembro, e também sofri com ela, da pandemia salazarista.

Logo após o 25 de Abril de 1974, surgiu outra pandemia, também ela extremista, só travada com um tal 25 de Novembro.
Depois, sucessivamente, pelos diferentes partidos, cada governo – nova pandemia, todos eles permitindo variadíssimos crimes de colarinho branco, a continuidade da corrupção instalada, o compadrio, e tudo o mais tão substancialmente conhecido por todos nós “pagantes”, de que, até agora, nos vemos completamente incapazes de lhes fazer frente.
Nestes mais recentes anos a pandemia parece-me ser (espero estar bem enganado), de uma nova ordem socialista. O governo é socialista. Na assembleia da república o partido socialista aprova tudo o que quer com os votos dos socialistas e dos socialistas/comunistas. O presidente desta assembleia, também ele socialista, tem ultimamente mostrado um verdadeiro sentido democrático no exercício desse cargo.
O senhor presidente da república, que já foi do PSD, parece agora verdadeiramente deslumbrado; já nem sei se também virou socialista.
Para o pleno surge agora outro socialista estratégica e propositadamente colocado no banco de Portugal. Domínio absoluto, fazendo-me lembrar regimes de que não me sinto saudoso! Mas, verdade e justiça sejam feitas, o que me parece ser uma nova pandemia, foi permitido pelo povo português que foi a votos.
Parabéns, por isso, a todos os eleitos! Tudo legal! Mas, cuidado que o povo português tem mostrado através dos tempos que, quando as pandemias são exageradas e continuadas, consegue, apesar da dificuldade dos opositores, acabar com elas.
E o que poderá seguir? E depois?
Tags:

 
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar