26-11-2020 Rui Calisto Imprimir PDF     Print    Print

Escaparate

Salazar nas estantes

Como é do conhecimento público sou ideologicamente de Esquerda, porém, recentemente, um grande amigo, cujo ideal político assenta na Direita, disse-me que achava curioso o facto de, sendo eu uma pessoa com essa tendência política, possuir na minha biblioteca um volume tão grande de publicações de e sobre o dr. António de Oliveira Salazar (1889-1970).

Rui Calisto
Atualmente, especialmente pelas redes sociais, deparamo-nos com comentários francamente alienados acerca da atual conjuntura política portuguesa. É graças a esse alheamento que surgem os partidos de Extrema-Direita. Infelizmente, uma absurda quantidade de pessoas passa a identificar-se com eles, movidas que são por palavras/frases de efeito, daquelas que ecoam lindamente em ouvidos pouco atentos.
Se separarmos o político do escritor, percebemos que o dr. António de Oliveira Salazar possuía uma curiosa qualidade intelectual, que o levou a escrever textos literariamente interessantes. Esse é um dos pontos que me impele a ler a sua produção.
Se não executarmos essa separação, e exercitarmos espontaneamente uma leitura atenta acerca do seu modo de governação, percebemos que jamais nos poderíamos alinhar com as suas ideias políticas.
Quando ingressou na Universidade de Coimbra, onde se especializaria em economia e finanças, destacou-se desde o primeiro momento devido aos seus escritos em jornais católicos de província. Frases que ecoaram na Capital, fazendo com que a sua carreira fosse acompanhada de perto pelos dirigentes políticos de então. Espartana, muito prudente e habilíssima no jogo político, essa personagem, segundo Tom Gerard Philip Gallagher (1954-) “mantém-se uma figura tão controversa como enigmática, cujo conservadorismo e um legado autoritário continua a dividir as opiniões. De um lado, os que consideram que o seu reacionarismo e opressão promoveram o atraso do país, do outro os que glorificam o seu patriotismo, honestidade e dedicação”.
O dr. António de Oliveira Salazar foi profundamente influenciado pela Action Française, um perigoso movimento contrarrevolucionário monarquista e orleanista francês, onde pontificaram, por exemplo, Charles-Marie-Photius Maurras (1868-1952), Maurice Barrès (1862-1923) e Gustave Le Bon (1841-1931). Entre 1910 e 1926, Portugal não conseguiu manter um governo que conseguisse “conduzir os destinos da nação”, e é devido a isso que, nesse último ano, uma fação militar desfechou um golpe de Estado. Devido ao destaque de seu pensamento político na imprensa, foi, então, chamado para assumir o Ministério das Finanças, sendo, posteriormente, nomeado presidente do Conselho de Ministros em junho de 1932.
O momento era extremamente delicado devido ao número de ditadores que, nos anos 30 do século XX, utilizaram um violento componente de manipulação de massas (o anúncio de uma conspiração mundial judaico-comunista) tendente ao crescimento de ideais nacionalistas, que fomentou na mente, do político português em questão, uma necessidade suprema de impedir, a qualquer custo, que “os comunistas viessem por aí abaixo, tomando a Europa e por tabela, este pequeno país à beira mar plantado”.
Conhecer a obra de e sobre o dr. António de Oliveira Salazar, permite-me ter condição de discordar dos pensamentos de extrema-direita, ou mesmo de apoiar, ou de fazer alianças e coligações com Partidos políticos que se venham a reger por essa cartilha.
Se deixarmos a história conduzir as nossas ações, esmiuçando as suas personagens políticas mais relevantes, com toda a naturalidade, podemos pugnar por um país melhor. É na leitura, possuindo o cuidado de perscrutar, de estudar, de avaliar, as géneses políticas que conduziram (e conduzem) as nações, que evitamos dar voz a políticos extremistas, que anunciam medidas dramáticas, especialmente contra os direitos humanos, para salvar a economia. Quando o que deve ser salvo, em todos os quadrantes da terra, é o ser humano.
Tags:

 
pub
Classificados LUCKY PANDA.BIZ
Opinião
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar